} Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

episódio 2 - no corredor

Atravessou o corredor a medo. Era isso ou acordar novamente a irmã. O corredor era tão escuro que lhe parecia impossível a uma criança. As tábuas faziam-se notar a cada passo e ela preferia atravessá-lo em pressa do que se demorar por ali. Deviam ser uns 4 metros que lhe pareciam 12. Respirava fundo e ia de olhos fechados como se isso a protegesse do medo. O medo era de nada. Só do escuro, do desconhecido, do caminho, de não saber o que estava do outro lado.  Mesmo já tendo passado ali com a luz do sol. Quando chegava era bom e era mau porque era obrigatório voltar. Já sabia que nada se passava e que era só um caminho e mesmo assim voava para chegar o mais depressa possível. No dia a seguir era igual. Todos os dias.O mesmo corredor escuro. Todos os dias a luz da manhã a fazer esquecer a noite. As manhãs serviam para lhe descansar a alma e se rir de si mesma. Tinha a certeza que à noite não haveria medos porque estava tudo ali, tudo o que era para existir, tudo o que fazia realmente par

Quantos segundos faltam?

Quantos segundos faltam? Acho que é a frase que eu mais digo durante o treino!
Hoje foi no jardim e talvez tenha sido o que mais me custou. Não é que esteja a ficar mais fraca - antes pelo contrário, mas estão a puxar mais por mim. E ainda bem.
Cada vez sinto mais diferença e ainda só vou no terceiro treino (se não contarmos com o da praia).
O Verão ajuda à motivação extra e poder fazer no jardim é um absoluto luxo.
Como é que me organizo para poder fazer os treinos duas vezes por semana: uma dessas vezes é em casa, enquanto o meu filho dorme a sesta. Tenho a sorte de ter um filho fácil e que tem sempre muito sono de manhã e dorme quase sempre à mesma hora. Esse treino é feito depois de levar a minha filha à escola e passear o cão. No outro dia - também depois da mesma rotina - tenho a minha querida Isabel que fica com ele (deixo-o sempre a dormir) e assim se estiver bom tempo posso sair.
Um treino com um PT tem a vantagem de não perdemos tempo nas deslocações, podermos aproveitar momentos como as sestas - no caso do meu que ainda é pequenino e as faz -termos motivação, pressão e dedicação sempre ali ao lado e maravilha das maravilhas podemos tomar banho em casa. E quem diz banho diz secar o cabelo, não secar o cabelo, maquilhar, etc.

O que eu quero retirar desta experiência de ter PT é acima de tudo aprender a organizar a minha vida e o meu dia-a-dia com estas duas horas semanais.
Aprender a planear a semana e a pensar que o exercício físico vai ter que fazer obrigatoriamente parte dela como as rotinas e as tarefas da casa, como passear o cão, ir às compras, cozinhar, tratar da roupa e as obrigações diárias de uma casa e de um trabalho -  que apesar de gerir de acordo com o meu tempo não deixa de ser trabalho.
No futuro espero conseguir organizar-me para correr de manhã antes que os filhos acordem, sei de muita gente que faz isso e aprender a fazer estes exercícios sozinha.
A verdade é que acabo estes treinos feliz. Exausta, com muita vontade de comer (e tenho que me controlar muito), cheia de sede, e com a sensação de dever cumprido. Com muito mais energia para brincar e esta semana tenho que brincar ainda mais do que o costume por causa da varicela do filho de 1 ano que não pára quieto e está habituado a sair de casa para gastar energias.
Por aí, quem faz exercício e como se organiza?

Comentários