} Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

Episódio 1 - O espelho

Tinha à volta de 40 anos quando se começou a aperceber da vida. Ao mesmo tempo que parecia cedo, também lhe parecia tarde.Até lá, corria tudo com mais ou menos problemas, mais ou menos histórias para contar. Todas essas pequenas histórias se juntaram naquele dia para lhe mostrar a pessoa em que se tornou. Não era mal nem bem. Era aquilo.Cada bocadinho de história ia dar ali. A um corpo. Custava estar de frente para si mesma e pousar em cada assunto de si. Tinha de ser. Era hora. Aquele momento parecia-lhe uma corrida de carros, cada instante a passar mesmo ali à sua frente.O nascimento, a sua infância, a morte dos avós, separações, mudanças, casamento, filhos, trabalho… Um atrás do outro a juntar-se em monte numa só pessoa.Parecia-lhe muito. Não demais, mas muito.Percebeu também que cada memória tinha um peso e era perfeitamente capaz de as dividir. As leves acabavam por ser as que ocupavam um espaço mais importante, as gargalhadas, os passeios na praia, as coisas que não se compartim…

Quantos segundos faltam?

Quantos segundos faltam? Acho que é a frase que eu mais digo durante o treino!
Hoje foi no jardim e talvez tenha sido o que mais me custou. Não é que esteja a ficar mais fraca - antes pelo contrário, mas estão a puxar mais por mim. E ainda bem.
Cada vez sinto mais diferença e ainda só vou no terceiro treino (se não contarmos com o da praia).
O Verão ajuda à motivação extra e poder fazer no jardim é um absoluto luxo.
Como é que me organizo para poder fazer os treinos duas vezes por semana: uma dessas vezes é em casa, enquanto o meu filho dorme a sesta. Tenho a sorte de ter um filho fácil e que tem sempre muito sono de manhã e dorme quase sempre à mesma hora. Esse treino é feito depois de levar a minha filha à escola e passear o cão. No outro dia - também depois da mesma rotina - tenho a minha querida Isabel que fica com ele (deixo-o sempre a dormir) e assim se estiver bom tempo posso sair.
Um treino com um PT tem a vantagem de não perdemos tempo nas deslocações, podermos aproveitar momentos como as sestas - no caso do meu que ainda é pequenino e as faz -termos motivação, pressão e dedicação sempre ali ao lado e maravilha das maravilhas podemos tomar banho em casa. E quem diz banho diz secar o cabelo, não secar o cabelo, maquilhar, etc.

O que eu quero retirar desta experiência de ter PT é acima de tudo aprender a organizar a minha vida e o meu dia-a-dia com estas duas horas semanais.
Aprender a planear a semana e a pensar que o exercício físico vai ter que fazer obrigatoriamente parte dela como as rotinas e as tarefas da casa, como passear o cão, ir às compras, cozinhar, tratar da roupa e as obrigações diárias de uma casa e de um trabalho -  que apesar de gerir de acordo com o meu tempo não deixa de ser trabalho.
No futuro espero conseguir organizar-me para correr de manhã antes que os filhos acordem, sei de muita gente que faz isso e aprender a fazer estes exercícios sozinha.
A verdade é que acabo estes treinos feliz. Exausta, com muita vontade de comer (e tenho que me controlar muito), cheia de sede, e com a sensação de dever cumprido. Com muito mais energia para brincar e esta semana tenho que brincar ainda mais do que o costume por causa da varicela do filho de 1 ano que não pára quieto e está habituado a sair de casa para gastar energias.
Por aí, quem faz exercício e como se organiza?

Comentários