} Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

episódio 2 - no corredor

Atravessou o corredor a medo. Era isso ou acordar novamente a irmã. O corredor era tão escuro que lhe parecia impossível a uma criança. As tábuas faziam-se notar a cada passo e ela preferia atravessá-lo em pressa do que se demorar por ali. Deviam ser uns 4 metros que lhe pareciam 12. Respirava fundo e ia de olhos fechados como se isso a protegesse do medo. O medo era de nada. Só do escuro, do desconhecido, do caminho, de não saber o que estava do outro lado.  Mesmo já tendo passado ali com a luz do sol. Quando chegava era bom e era mau porque era obrigatório voltar. Já sabia que nada se passava e que era só um caminho e mesmo assim voava para chegar o mais depressa possível. No dia a seguir era igual. Todos os dias.O mesmo corredor escuro. Todos os dias a luz da manhã a fazer esquecer a noite. As manhãs serviam para lhe descansar a alma e se rir de si mesma. Tinha a certeza que à noite não haveria medos porque estava tudo ali, tudo o que era para existir, tudo o que fazia realmente par

Cresçam mais devagar s.f.f


Não há nada que mais me orgulhe do que ver os meus filhos crescer.
Ela, com quase 4 anos é uma espertalhona, absolutamente feminina, que delira com princesas,  castelos e cor de rosa. Uma sonhadora, que vive em fantasia. A nossa casa é um castelo. Eu sou rainha e o pai, um rei. Sensível e de lágrima fácil como eu e mimada pelos dois.
Ele, tem 1 ano e 3 meses. Adora beijos e mimos. É um bebé absolutamente feliz,  que praticamente não chora, sempre a rir e a fazer asneiras. Não anda ainda e isso não o impede de chegar a todo o lado e destruir.  É arisco e confia na cara de anjo para se safar das 30 asneiras por minuto.


Quando os vejo falar, crescer, conseguir coisas novas,  incho de orgulho mas vivo a querer que sejam bebés para sempre. É inevitável. 
E sinto isso quando não precisam de mim para chichi, quando dormem fora de casa sem chorar (e gostam),  quando cortam o cabelo ou até quando deixam de cheirar a bebé.
Espuma para o banho. Óleo de banho.
Shampoo em espuma (que adoro para
o cabelo fininho dele). O clássico
óleo para massagens que ele não adora
mas ela delira.

Ele cortou o cabelo este fim de semana - um bocadinho contra a minha vontade - e adeus caracóis loiros. Ficou um rapazinho e confesso que me doeu no coração. Não significa nada, vai voltar a crescer mas foi um empurrão para um filho um bocadinho mais crescido.
Como sou galinha, guardei alguns caracóis para recordar o primeiro corte de cabelo, ainda por cima feito pelo pai.
Sei que não vão ficar sempre bebés e ainda bem, mas fiquei feliz por a Mustela se ter lembrado de nós, parece que estava a adivinhar e nos ter oferecido um kit para que os meus dois filhos tenham o melhor cheirinho do mundo. Tudo truques para que cresçam,  mas devagarinho.

Comentários