} Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

episódio 2 - no corredor

Atravessou o corredor a medo. Era isso ou acordar novamente a irmã. O corredor era tão escuro que lhe parecia impossível a uma criança. As tábuas faziam-se notar a cada passo e ela preferia atravessá-lo em pressa do que se demorar por ali. Deviam ser uns 4 metros que lhe pareciam 12. Respirava fundo e ia de olhos fechados como se isso a protegesse do medo. O medo era de nada. Só do escuro, do desconhecido, do caminho, de não saber o que estava do outro lado.  Mesmo já tendo passado ali com a luz do sol. Quando chegava era bom e era mau porque era obrigatório voltar. Já sabia que nada se passava e que era só um caminho e mesmo assim voava para chegar o mais depressa possível. No dia a seguir era igual. Todos os dias.O mesmo corredor escuro. Todos os dias a luz da manhã a fazer esquecer a noite. As manhãs serviam para lhe descansar a alma e se rir de si mesma. Tinha a certeza que à noite não haveria medos porque estava tudo ali, tudo o que era para existir, tudo o que fazia realmente par

Bendito fim de semana

Vivo para os fins de semana.
Durante a semana somos absorvidos pelos horários, rotinas e obrigações. Mesmo que tenha muito tempo do dia para brincar com eles e fazer com que os dias sejam divertidos, a verdade é que quer queiramos quer não, há horas.
Ao fim de semana podemos esquecer tudo isso e aproveitar o mais importante: a família.
Este deu para fazer muita coisa. Piscina no sábado e praia no Domingo. Ainda fomos à missa - a primeira vez que ele foi a uma missa completa e depois eu conto - compras e simplesmente estar em casa (apesar de preferir sair).
No Domingo decidimos ir para a praia de barco. Nunca acordamos cedo por isso chegámos mesmo em cima da hora e com as portas a fechar.
O carro lá dentro estacionado e todos lá para fora.
Ela adorou, feliz a achar aquilo tudo uma aventura (já tinha ido mas já não se lembrava). Ele, só quer andar, e estar parado no mesmo sítio é uma tortura, por isso só com muita distração à mistura nos deixou gozar a viagem.
Chegámos à praia às 10h00 e não fosse a ventania teria sido um dia perfeito.

Feitas as contas, o custo de ir de carro ou de barco é praticamente igual. Ganha-se tempo, sem trânsito e vê-se numa nova perspectiva uma das mais bonitas vistas da cidade.









Comentários