Manter-me (e as parcerias )

Este blog começou com uma parceria.
O seu intuito era comercial embora a base fosse uma amizade de longa data e só isso muda tudo.
Foi por causa dessa parceria que comecei a escrever,  que criei um blog, que escrevi um livro.
Essa parceria mudou o meu corpo,  pôs-me a correr, mostrou-me que é possível uma vida saudável e activa sem exageros nem fundamentalismos,  tudo o que esta parceria queria mostrar.
E penso que conseguimos. 
Embora agora esteja tudo em stand by.
O blog começou pequenino e ainda é pequenino se o compararmos a outros presentes há muito tempo e eu gosto - e faço questão que assim continue.
É neste blogue que escrevo sobre o meu dia a dia e sobre os meus filhos, o meu mundo e acima de tudo sobre as inquietações que julgo serem comuns a todas as mães. Sempre foi esse o intuito. Escrever sobre o que eu penso ser normal em todas as casas,  em todas as famílias.
Não tenho um tempo obrigatório nem certo para escrever,  escrevo conforme o que me acontece, conforme vivo,  conforme sinto.
90% dos meus textos são pessoais e às vezes íntimos e (aproximando -me do que quero dizer com este texto) são esses pensamentos que geram mais visualizações no blogue e isso faz-me feliz.
De vez em quando surgem convites de marcas para me associar a elas, para as ajudar na promoção de algum produto, para as comunicar a quem me lê. 
Faço-o se me identifico,  se por algum motivo simpatizo com a marca ou até se pura e simplesmente me apetece ajudar quem por exemplo está a começar,  e também porque às vezes me interessa.
Não vivo deste blogue porque prometi a mim mesma que seria sempre o meu blogue e não de uma agência,  que seria sempre pessoal e não comercial,  que seria sempre meu. E vosso.
Vou continuar a ser como sou e acho que não sou parva.  Por isso 10% do meu blogue podem ser e vão ser parcerias. 
Marcas que são boas, amigas a quem digo sim sem pestanejar,  passatempos que acho giros e bons para todos.
Penso ser genuína em tudo o que escrevo mas sou também uma plataforma. Sem véus nem fingimentos, nem disfarces.
E assim pretendo continuar.  A dizer que não quando não tem nada a ver comigo,  quando não tem nada a ver com o blogue.
Não sei ler o futuro nem o rumo do blogue mas eu sou sempre eu a escrever e isso é a única promessa que faço.
Obrigada a quem fica,  gosta, às vezes torce o nariz e até me chama a atenção. Agradeço tudo.

Comments

  1. Que querido post, sincero. Não sou (não era) de seguir blogs nem instagram nem internet nem nada dessas coisas, na verdade nem de ler (literatura) porwue o trabalho não deixa, mas desde que fiquei de baixa por contraccoes antes de tempo que comecei a encher as horas de "blogs e outros que tais", e é que este enche mesmo. Pela sinceridade, pela naturalidade com que se abordam as coisas. Porque apesar das toilettes lindas de morrer se percebe que esses filhos não foram vestidos para aa posar, mas as vestiram para viverem felizeS. Gosto especialmente do post relativo à Luísa a chorar que diz"ver o meu bebê a ser bebê" que tantas vezes nos esquecemos nos momentos de desespero. É um blog muito querido que merece ser continuado. Este post, mais uma prova disso.

    ReplyDelete
  2. Gostei muito do post.
    É por esta simplicidade na comunicação que da mesmo vontade de vir aqui e ler o dia a dia da mãe já vai...
    Um beijinho e bom domingo!
    Lu, blogdamamalu.blogspot.com

    ReplyDelete

Post a Comment