Que a vida vos sorria e vocês para a vida.

Já vos escrevi muitas cartas.
Umas no papel. Outras para mim. Outras que vos li. Alto. Enquanto vivíamos.
Esta é uma carta escrita.
Quero pedir-vos desculpa.
Tudo o que sou vocês também são.  Tudo o que faço vocês também farão.
Às vezes espero que me sigam os passos, outras rezo para que não. Nessas vezes espero que me reconheçam os erros e que não me admirem sempre. Como parece que fazem.
Ficam já a saber que não sou perfeita,  com certeza já repararam. Nem a vossa casa. Só as minhas intenções. Tento ser o melhor que sou, sempre. E muitas vezes fico aquém. Tantas vezes.
Não sou má pessoa, mas podia ser melhor.
Às vezes estou triste e vocês notam.  Outras, estou imensamente feliz e não me faço notar.
Devia rir-me mais para fora e mais alto para que me vissem feliz. Devia estar triste longe de vocês. Devia dar mais pulos de alegria pelo que tenho e fazer notar menos as minhas frustrações.
Devia fingir mais vezes a realidade e pintar-vos o mundo cor de rosa. Porque ele às vezes é.
Nem sempre consigo esconder problemas que vocês estão longe de compreender. Sabem lá...
Não têm que saber. E mesmo assim dão-me a mão.
Às vezes vejo em vocês os meus defeitos.
Em ti Leonor a vergonha, o isolamento, algum desespero quando não és compreendida. Enfrenta isso miúda. Vais sair-te melhor. Empina o nariz e endireita os ombros e vai. Mistura-te sem medo. És tão bonita, tão forte, tão honesta e tão sensível que o mundo tem que te brilhar.
Em ti Zé Maria como ferves em pouca água. Como te sentes frustrado e como te sentes o irmão do meio (como isso é duro) tal como eu. Mas vejo a alegria de viver com que cresci. És tão alegre que me comoves e queria ser mais vezes como tu.
É em ti que me inspiro de vez em quando. Quero ser pequenina como tu, ter a tua vida, a tua forma, a tua inocência. O teu riso fácil.
Rezo para que mantenhas esse teu espírito e esse teu não quero saber que te vão poupar de muito na vida.
A ti Luísa tento proteger,  guardar,  dar-te a primeira infância que mereces sem descuidos nem displicência. E depois deixo-te ir e crescer como penso deixar os mais velhos.
Às vezes penso que merecem mais. Não mais coisas. Mais mundo. Mais de nós. Mais liberdade. Mais Vida. Que aqui não chega.
O mundo corre ao seu ritmo. As pessoas,  os empregos, o dinheiro e a falta dele e não sabemos bem com que objectivo andamos. E em que sentido.
Quero poder dar-vos mais coração.  Mais alma. Mais razões do que dinheiro para coisas e contas e contas e contas.
Estou a fazer o meu melhor. Aos 3 dei-vos irmãos que espero que preservem como irmãos, cultivem, amem como a ninguém. Que se unam. Que se adorem, confiem, brinquem. Que partilhem segredos e ombros e que se riam desta vida e que chorem uns com os outros, uns pelos outros.
Dei-vos já o melhor de mim.  Mas ainda há muito de mim que pode ser melhor,  que quer ser melhor.
Tenho a certeza que são felizes e se vocês sorriem e se riem - felizmente fazem-no tanto - é porque a nossa casa é alegre.
Mas não há limite para as coisas boas na vida de uma criança e por enquanto só nós pais temos esse poder.
Vou tentar o melhor que posso que adormecem todos os dias com o maior sorriso.  E eu também. 

Comments

  1. Quando o amor é verdadeiro e sem cobrança tudo correr bem . Sejam felizes ! ❤

    ReplyDelete

Post a Comment