10/12/2016

3 para 1

Não há milagres.
A Luísa tem 3 meses e meio. Passa o dia a rir mas não é um especial anjo a dormir durante o dia e por ser óptima de noite não me atrevo a queixar.
Por dia são 2 horas a ir levar e buscar.  Entre o trânsito e a logística de levar 2 filhos com 3 no carro.
Depois é a casa e as obrigações normais mesmo com uma ajuda 3 vezes por semana num total de 9 horas que me salva a vida e a sanidade.
Depois é o final do dia. Sozinha com eles.
Antes de os ir buscar bebo o meu primeiro e único café do dia e lá vou eu.
A escola normalmente corre bem e eles vêm felizes e cansados no carro a falar e só se calam quando se deitam.
Há as birras do Zé Maria que normalmente atingem o pico máximo antes do banho.
Há um puzzle que se vai modificando conforme os dias.  Em horas, em métodos,  em rotinas.
Quando às vezes olho para o cenário das 6 da tarde percebo perfeitamente que a Luísa escolha o pano para dormir.  É o salve-se quem puder e ela tem ali uma bóia de salvação.
Esperta.
Os outros não têm a mesma sorte.
Entra no pano às 18h e dou banho assim.  Dorme os 40 minutos que preciso para garantir que dormem quentinhos,  penteados e com o pijama certo.
Depois ela acorda, toma banho, eles vêm televisão. Junto-os a todos na sala enquanto ponho a mesa e sirvo o jantar que fui preparando no meio do caos.
Dou de mamar à Luísa enquanto eles jantam e às vezes entorna-se água que fica mais tempo que devia no chão.
Olho para eles e são 3.
Três miúdos para uma pessoa adulta. Não é nada de especial mas às vezes parecem-me uma multidão.
São uma multidão.
Às vezes pergunto se chego, se sou suficiente,  se recebem tudo o que precisam nestes finais de dia e não tenho a mais pequena dúvida que não.  Fica a faltar tempos calmos, atenção, banhos tranquilos e colos.
Fica a faltar muita coisa.
Mas a forma como termino o meu dia, de mãe e de mulher é  clara para mim. Cabelo sem nexo, pernas pesadas, olheiras sem fim, sorriso na cara. Recordações para a vida.
Dei tudo o que tenho.

6 comments:

  1. Sinto exatamente o mesmo... (3 meses, 3 anos, 6 anos). " A mãe já vai" é a frase mais repetida por aqui, porque as solicitações são muitas!

    ReplyDelete
  2. Sinto exatamente o mesmo... (3 meses, 3 anos, 6 anos). " A mãe já vai" é a frase mais repetida por aqui, porque as solicitações são muitas!

    ReplyDelete
  3. Sabem que chega sim! Somos 3 irmãos, a minha mãe que era educadora (devia vir com a cabeça em papa do trabalho) cuidava sempre de nós até o pai chegar e sei agora dar valor ao que custava e só tenho 2 e a ajuda do marido. Mas eles sabem que está lá e que podem contar com a mãe.

    ReplyDelete
  4. és linda e uma verdadeira inspiração! uma MULHER de coragem <3
    beijo enorme

    ReplyDelete
  5. Não ha mãos suficientes! Amanhã é sempre um novo dia e pode-se melhorar o dia que tivemos hoje..penso eu todos os dias. O teu melhor é suficiente para eles e isso é que conta. Beijinhos

    ReplyDelete