} Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

2020/2021

No outro dia o Zé Maria disse que o dia em que mudou de escola foi o pior dia de sempre. Nesse ano, mudaram todos de escola. A Leonor entrou para o primeiro ano, o Zé Maria para o segundo ano do pré escolar e a Luísa entrou na creche pela primeira vez  (e depois acabou por sair e ficar comigo mais um ano). Estávamos todos arrasados emocionalmente. Lembro-me que tive que deixar o Zé Maria e ficar com a Luísa na sala. Ele diz que chorou o dia todo. Nunca pensei que se lembrasse com tanto pormenor. Foi há 3 anos.  Está especialmente nervoso este ano. Vai entrar para o primeiro ano, depois de sete meses em casa. Diz que não quer ir apesar de todo o nosso incentivo e até da Leonor que adora escola e lhe diz que vai ser espectacular. Os meus filhos nunca foram de amar a escola. E eu sou forte promotora porque se for bom, é óptimo. A Leonor quando entrou com um ano esteve 15 dias sem comer e sem dormir. Diziam que ela estava muito apegada a mim, como se isso fosse mau. Como se ter estado com e…

Dar conta do recado

Às vezes não dou conta do recado.
Não tenho a roupa passada nem as meias dobradas.
Não tenho o cabelo arranjado.
Não tenho as refeições todas alinhadas para a semana. Não tenho os miúdos todos felizes ao mesmo tempo. Não tenho a casa arrumada. Não tenho energia. Às vezes não dou conta do recado e caio na verdade das coisas. Não tenho tempo para o desporto nem a cabeça para a dieta nem para a amamentação nem para fazer kits de manhã que me favoreçam. Às vezes, de tudo o que é preciso para a casa andar a todo o gás e todos estarem a 100% só há metade das coisas.
Metade da energia,  metade da organização,  metade da boa disposição. Não saio de casa a horas, não vou ao supermercado como deve ser, não comem biológico como é suposto e não faço sopa para a semana porque às vezes não dou conta do recado.
Algumas vezes está tudo quanto baste e por isso não se nota (tanto) o resto que ficou para trás. Se a casa está arrumada então parece mais fácil planear a semana. Se a roupa está passada então as manhãs são canja. Se a despensa está cheia as ementas da semana pensam-se com mais clareza. Se os filhos estão com saúde se o carro tem gasolina se ninguém se esqueceu de comprar fraldas ou toalhitas se consegui não comer pão nem porcarias a semana toda se o pai chega cedo se não chove se o bebé dormiu toda a noite, se todos estão com bom feitio, se está tudo bem na escola no trabalho na família nos amigos.....
É muito raro dar conta do recado mas as coisas disfarçam-se. Algumas disfarçam-se. Outras atropelam-se e de repente é óbvio que está o caldo entornado e o mundo do avesso.
É preciso um reset. Uma coisa de cada vez. Qualquer coisa tem que ficar para trás. Ou eu ou a casa ou a roupa ou a alimentação ou o sono ou a dieta ou o corpo ou um monte de coisas ao mesmo tempo.
Depois respira-se fundo, telefona-se a uma amiga,  um abraço do marido, e recomeça-se. Até ao recado estar dado.

Comentários

  1. "Dar conta do recado"... não sei o que é isso desde que, a contar com mais um (em já duas), vieram duas e com isso, que não mudaria por nada, o reaco ficou no caminho e vamos-nos orientando da forma que dá...

    ResponderEliminar
  2. "Dar conta do recado"... não sei o que é isso desde que, a contar com mais um (em já duas), vieram duas e com isso, que não mudaria por nada, o reaco ficou no caminho e vamos-nos orientando da forma que dá...

    ResponderEliminar

Publicar um comentário