Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

2020/2021

No outro dia o Zé Maria disse que o dia em que mudou de escola foi o pior dia de sempre. Nesse ano, mudaram todos de escola. A Leonor entrou para o primeiro ano, o Zé Maria para o segundo ano do pré escolar e a Luísa entrou na creche pela primeira vez  (e depois acabou por sair e ficar comigo mais um ano). Estávamos todos arrasados emocionalmente. Lembro-me que tive que deixar o Zé Maria e ficar com a Luísa na sala. Ele diz que chorou o dia todo. Nunca pensei que se lembrasse com tanto pormenor. Foi há 3 anos.  Está especialmente nervoso este ano. Vai entrar para o primeiro ano, depois de sete meses em casa. Diz que não quer ir apesar de todo o nosso incentivo e até da Leonor que adora escola e lhe diz que vai ser espectacular. Os meus filhos nunca foram de amar a escola. E eu sou forte promotora porque se for bom, é óptimo. A Leonor quando entrou com um ano esteve 15 dias sem comer e sem dormir. Diziam que ela estava muito apegada a mim, como se isso fosse mau. Como se ter estado com e…

Se fosse hoje - berços

Os meus bebés estão todos a crescer.
E é tão bom.
Quando a Leonor nasceu achei que ia precisar de tudo e a verdade é que não precisei de metade.
Tinha uma lista e tenho uma lista que usei em todas as gravidezes e de filho para filho fui precisando de menos. Para já, uns herdam dos outros e depois vamos percebendo que os bebés precisam de muito pouco para além.
Mas, há sempre um mas, cada vez há mais oferta mais coisas que nos facilitam a vida, mais ideias geniais e mais peças que fazem toda a diferença no quarto no carro na sala no banho. 
Sou uma mãe rotineira e que gosta de regras para manter um bocadinho a ordem (e a sanidade) e por isso gosto de coisas que me facilitem a vida e peças que mantenham a minha sala numa sala de adultos e gadgets que façam ganhar tempo. Gosto de facilitadores e de peças originais. E por isso vou iniciar esta rúbica. Se fosse hoje. 
Se fosse hoje estaria absolutamente indecisa entre dois berços lindos e maravilhosos e provavelmente não saberia escolher. 

Um, é descendente do baloiço mais giro de Lisboa. A B.A.G.O. lançou este verão um berço que é muito mais que um berço. 

Pode ser colocado no quarto, mesmo ao lado da cama dos pais ou na sala para estar ali, com o barulho ambiente da casa. 

Por estar suspenso, quando o bebé se mexe, o berço também e por isso, ele auto embala-se e provavelmente sente um bocadinho daquilo que é estar outra vez na barriga da mãe num embalo constante.

Dá até a altura em que o bebé se começa a virar e depois é só subsituir por um baloiço para poder aproveitar o furo do tecto.

As cordas são náuticas e por isso absolutamente seguras e resistentes, é feito com tecido 100% algodão e inclui estrado, colchão, mosquetões e buchas. Pode ser encontrado aqui.




O segundo berço é uma peça de design criado por uma designer industrial de Sintra.

Tem dois propósitos: o de ser o berço de todos os dias do bebé até aos 6 meses e o de viajar com o bebé de de forma leve e prática.

Sabem as camas de viagem que ocupam metade da mala do carro e pesam meia tonelada? Este berço fecha-se numa mala de tamanho perfeitamente aceitável. É lindo e as cores são de perder a cabeça.

A estrutura é fácil e rapidamente desmontável e a forra assenta de forma perfeitamente estável e perfeita criando um berço único e uma peça de desing difícil de resistir.

É feito em Portugal, vem em 16 cores absolutamente maravilhosas e é tão fácil de montar o que torna este berço num dos mais inteligentes que já vi.

Podem ver o vídeo da montagem aqui e namorar a Schnuk de fio a pavio no Facebook ou no Instagram.


                   

Comentários