6/20/2017

7 anos de hormonas

Feitas as contas, foi isto que aconteceu nos últimos sete anos.
Engravidei da Leonor em Outubro de 2010. Nasceu em Julho de 2011. Deixei de dar de mamar  em Janeiro de 2012.
Engravidei do Zé Maria em Julho de 2013. Deixei de dar de mamar em Dezembro de 2014.
Engravidei da Luísa em Setembro de 2015 e ainda dou de mamar, em Junho de 2017.
Feitas as contas estive pouco tempo livre de hormonas malucas do pré parto parto pós parto amamentação e todos os seus parentes.
Chorei com filmes, velhinhos de mão dada, discussões por nada, porque encolhi roupa, porque um filho falou mal comigo. Chorei com as coisas boas, as más e as que ainda estou para perceber o que eram. Chorei com o peso, com a pele, com as pernas pesadas. No hospital, em casa, na rua. Chorei de alegria e de confusão. De medos.
Venha o diabo e escolha. Chorei e ri com tudo. Fervi em pouca água, andei de pavio curto, depois fui aos céus, fiquei por lá um bocadinho, pés na terra, cabeça no ar, tolerância zero, felicidade desmedida, irritabilidade, e um iô-iô de coisas esquisitas boas e más que fui recebendo a maior parte do tempo com um sentimento de gratidão enorme e de absoluta injustiça.
Passei os últimos sete anos a brincar com a minha sanidade mental. A lidar com a incerteza de que tudo está bem dentro da barriga, com a mudança do corpo, com a expectativa dos partos, com o caos do pós parto. A lidar com a incerteza da amamentação e com o choque do novo corpo. Três vezes.
A nossa escolha, a de ter três filhos seguidos, hormonalmente recaiu toda em mim. Claro.
E uma mulher não deveria ter que lidar tanto com as hormonas. Bastava uma vez para a humanidade perceber que isto foi um erro, isto de dar às mulheres esta arma que ela não controla e que se apodera dela (e dos que estão à sua volta) da cabeça aos pés, é um perigo.
Ou então não.
É mesmo assim que deve ser. Postas à prova, um bocadinho castigadas, completamente abençoadas. E resistentes, acima de tudo resistentes.
Não há nada que derrube a força de uma mulher, nem mesmo as hormonas.

7 comments:

  1. Adoro ler os seus textos e identifico- me com cada parágrafo que escreve! Sinto exatamente o mesmo. No meu caso são 8 anos de hormonais! E vou agora na terceira viagem, já com 9 meses!!! Continue a escrever mais histórias! Adorava conhecê-la pessoalmente! Bjs

    ReplyDelete
    Replies
    1. Tão querida Rute!!! E espero ter respondido a tempo de lhe desejar boa sorte no terceiro bebé! Que corra tudo bem. Dê notícias. Um grande beijinho, Maria Ana

      Delete
  2. Um texto tão bonito. Cheio de doçura e realidade :) Comecei agora a aventura da maternidade e revejo-me em algumas voltas do carrossel. Parabéns!
    Gergelim.blogs.sapo.pt

    ReplyDelete
    Replies
    1. Um grande beijinho e boa sorte para tudo!
      Maria Ana

      Delete
  3. Também tenho 3 pequenotes e sinto que ando a brincar com a minha sanidade mental há 9 anos :)
    Gosto muito dos seus textos e revejo-me em quase tudo o que escreve. Estamos juntas! ;)
    Um sorriso ou gargalhada de um dos miúdos é suficiente para me devolver a sanidade mental aparentemente perdida...

    ReplyDelete
    Replies
    1. É mesmo. Não precisamos de muito. Desde que eles estejam bem.... Um grande beijinho e obrigada.
      Maria Ana

      Delete
  4. Também tenho 3 pequenotes e sinto que ando a brincar com a minha sanidade mental há 9 anos :)
    Gosto muito dos seus textos e revejo-me em quase tudo o que escreve. Estamos juntas! ;)
    Um sorriso ou gargalhada de um dos miúdos é suficiente para me devolver a sanidade mental aparentemente perdida...

    ReplyDelete