8/21/2017

E tu? O que é que tu fazes Mariana?

- E tu? O que é que fazes Mariana?
Perguntaram-me num jantar.
- Não faço nada. Estou em casa.
Disse eu sem acrescentar ponto nem vírgula. Só isto.
Estava entre amigos e conhecidos que se insurgiram contra a minha resposta.
- Tens três filhos! Já é muito trabalho!
E na minha cabeça a pensar: e quem tem três filhos e ainda trabalha por cima? Isso sim é trabalho...
- És blogger!
Não sei se sou blogger. Tenho um blog. Para mim ainda é diferente. Escrevo porque gosto, escrevi dois livros um de poesia e outro sobre a minha perspectiva de vida como mãe. Trabalhei em Publicidade.
Depois pensei na facilidade que tenho em ser a minha pior inimiga porque na realidade o que eu faço - que não é nada de especial, podemos todos ser honestos - é muito difícil de pôr por escrito ou de dizer alto, numa mesa cheia de profissões. Não sei como dizer o que faço.
Milhões e milhões de mães estão em casa com os seus filhos. Muitas delas conseguem para além disso criar um negócio próprio com nome: costureiras, designers, jornalistas. Pessoas que nas sestas fazem bainhas, criam identidades de marca, escrevem artigos.
Nas sestas dobro meias, arrumo a cozinha, apanho brinquedos do chão, descanso o mínimo indispensável e claro, escrevo no blog. Sobre a minha vida com eles, quando estão acordados, fora das sestas. Sobre o que sinto, o que amo, o que receio. Sobre o que se passa essencialmente cá dentro.
Já fui paga para escrever. No blog. E isso fez-me absolutamente feliz, por estar a contribuir para a minha casa, coisa que não sentia nem fazia desde 2011. Para mim foi importante. Muito importante mesmo. Fez-me crescer por dentro e não há nada mais importante que isso, sermos altos de vez em quando, sentirmos um bocadinho de orgulho, de sensação de missão cumprida.
Orgulho em mim, perante os meus filhos que não precisam para nada de saber de onde vem o dinheiro que nos paga as contas. Que nos leva de férias, que nos põe a comida na mesa.
Mas para mim foi bom. Acho que a isso se chama ego.
O meu nunca foi gigante e ao mesmo tempo ainda bem. Fico feliz quando consigo pequenas coisas. E vivo com os pés na terra, sem grandes manias.
Mas como não estar orgulhosa do meu trabalho? Não responder de boca cheia que estou a criar três filhos, que mesmo nos dias menos bons estou lá, mesmo quando estou doente e cansada e triste e frustrada? Porque isso é ser mãe. É ser pai. Todos o fazem, no muito ou no pouco tempo que têm para estar com os seus filhos. Fazem o melhor, arrumam a casa, trabalham a tempo inteiro ou a meio tempo ou quando conseguem, orientam-se, pelos filhos.
Estar em casa tem qualquer coisa de ingrato por isso. Não fazemos mais do que sermos pais, mas a tempo inteiro. Custa, é duro, é cansativo, é muito cansativo e não tem um nome, não tem uma definição, nem categoria.
O meu trabalho é ser mãe. Tudo o resto são palavras.

6 comments:

  1. Parabéns! Ainda não sou Mãe mas valorizo muito o trabalho de ser Mãe a tempo inteiro pois a minha Mãe fez o mesmo com os 3 filhos:) aos olhos de muitos estar em casa com os filhos equivale a não fazer nada mas sabem là o que dizem..beijinhos

    ReplyDelete
  2. Sigo-a. Também estou em casa. Também tenho um blog pois também gosto de escrever. Também sou mãe mas.... só de um é isso muda tudo na cabeça dos outros. Parasita mais ou menos é o meu rótulo. Bj

    ReplyDelete
  3. Como a percebo.
    O trabalho de mae nao é pago e muitas vezes visto como "ah pois tu nao trabalhas"
    Tudo de bom
    http://margaridaflordaminhavida.blogspot.pt

    ReplyDelete
  4. Adorei as suas palavras! Como me revejo nelas... tenho 4 filhos, passei pelo memso... entretanto quis o destino que ficasse sozinha com eles, divórcio duro, insultuoso, daqueles que mexe com a auto-estima ao seu limite, "na não precisas de empregada(com o devido respeito e consideração do mundo do terminais uso) faz tu, ou vou castigar te não te dou dinheiro, para alimentar os filhos, tortura psicológica para obter o desejado! Os filhos continuavam lá, comigo, a precisar de tudo aquilo que tinham antes... alguém entendia que tinha de castigar uma mãe que estava a tomar conta dos filhos em casa... duro! Hoje a reconstruir esse sentimento que ser mãe a tempo inteiro é valioso, grandioso... 19 anos deste processo! As perguntas tb surgiam, "mamã o que fazes? A mãe do meu amigo é dentista, outra enfermeira.... e tu?" A mais velha, com cinco, seis anos na altura dizia, "a mamã é mãe!". Fiquei orgulhosa! O desprezo e o menosprezo de tudo o que sempre fiz e me dediquei, infelizmente, é motivo para me sentir profundamente deprimida agumas muitas vezes, ainda hoje, o pai faz questão de lembrar ao de leve com atitudes com ações silenciosas, daquelas que ficam escritas mas só eu sinto e arco com consequências. Aquelas que fazem a pessoa se sentir um lixo, aquelas que fazem a pessoa ter vontade de fazer justiça pelas próprias mãos, mas tem um laivo de lucidez e diz, algum dia vai "pagar pelas maldades que comete", não é raiva a falar é a tristeza de um reconhecimento que se merece e devia enaltecer e é subestimado do maldade é inveja! Não tenho blog mas gostava de escrever! Acho que estou a acalmar o coração para o fazer... a emoção por vezes é descontrolada! Parabéns pelo SEU TRABALHO ou por todos os seu trabalhos, são muitas tarefas concentradas numa pessoa só, de fossem praticadas por alguém externo, teriam um categoria cada e ordenado tabelado! Felicidades ❤️

    ReplyDelete
  5. Olá, ser mãe e dona de casa também é trabalho, e muito, também sou mãe de uma adolescente, fiquei desempregada e mas há muito que tinha um sonho de criar um blogue sobre a minha filha que adotei tinha ela 6 anos, mas quando trabalhava não conseguia, pois saía do trabalho vinha para casa e tinha coisa para tratar, e dar atenção à pequenita, quando dava conta já eram horas de ir para a cama, com a agravante de que sou sozinha foi uma adoção monoparental logo tenho que ser eu para tudo. SER MÃE E DONA DE CASA É UM EMPREGO UM EMPREGO COM MUITAS RESPONSABILIDADES:EDUCAR,CUIDAR,AMAR,ESTAR ATENTA E MUITO MAIS

    ReplyDelete
  6. Além disso estando a minha filha no ensino especial tenho que ser" polícia", quando digo isto é estar alerta no inicio das aulas para que a escola estruture correctamente os apoios da miúda, se eu não estiver de "sentinela" a escola faz tudo em detrimento dos professores e não da miúda e lá tenho eu que me armar em " Rambo".
    E quanto à Ana, digo-lhe, inicie o seu blogue, escreva, agora com o coração descontrolado é que consegue escrever tudo o que lhe vai na alma, mas é só a minha opinião e vale o que vale.Beijinhos e boa sorte.

    ReplyDelete