} Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

2020/2021

No outro dia o Zé Maria disse que o dia em que mudou de escola foi o pior dia de sempre. Nesse ano, mudaram todos de escola. A Leonor entrou para o primeiro ano, o Zé Maria para o segundo ano do pré escolar e a Luísa entrou na creche pela primeira vez  (e depois acabou por sair e ficar comigo mais um ano). Estávamos todos arrasados emocionalmente. Lembro-me que tive que deixar o Zé Maria e ficar com a Luísa na sala. Ele diz que chorou o dia todo. Nunca pensei que se lembrasse com tanto pormenor. Foi há 3 anos.  Está especialmente nervoso este ano. Vai entrar para o primeiro ano, depois de sete meses em casa. Diz que não quer ir apesar de todo o nosso incentivo e até da Leonor que adora escola e lhe diz que vai ser espectacular. Os meus filhos nunca foram de amar a escola. E eu sou forte promotora porque se for bom, é óptimo. A Leonor quando entrou com um ano esteve 15 dias sem comer e sem dormir. Diziam que ela estava muito apegada a mim, como se isso fosse mau. Como se ter estado com e…

fomos e por lá ficámos

Acordámos no Sábado sem grandes ideias e o meu marido sugeriu irmos passar o dia a Évora. Era longe o suficiente para apanhar a hora da sesta e eles dormirem no caminho e perto o suficiente para não ser uma viagem. Pus uns sumos e uns amendoins no saco, fraldas, e um blush (se eu soubesse e ao mesmo tempo ainda bem que não soube).
Aproveitámos aquele tempo como sempre para pôr a conversa em dia - parece que falamos mais no carro enquanto eles dormem do que durante toda a semana em casa - e fomos bem devagar, como se quer, até Évora. Almoçar, passear, visitar. E acábamos por ficar.
Évora estava cheio (e caro) e fomos parar a Montoito, a um centro hípico, o Lusitaurus que tem um conceito muito giro. Não é de luxo, nem de perto nem de longe, mas tem tudo aquilo que se precisa e mais. Para quem gosta de cavalos pode visitar as boxes, ter aulas de equitação ou só mesmo - como nós - dar uma voltinha. As pessoas são incrivelmente simpáticas e tem a conveniência de ter um restaurante lá com comidinha da casa, que é o que se quer.
No Domingo fomos a Reguengos de Monsaraz e ficámos absolutamente apaixonados e a querer muito passar lá uns dias no verão.
É claro que tivemos que fazer uma paragem no supermercado para os essenciais. Apesar de termos adorado a espontaneidade da decisão, tivemos que garantir algumas coisas para todos estarmos confortáveis.
Soube muito bem mesmo com filhos, três, termos saído da rotina ou do que é mais ou menos esperado. Porque às vezes os fins-de-semana, principalmente os de inverno são mais ou menos iguais, pelo menos por aqui. Repetimos o que gostamos, ficamos por casa ou assaltamos a casa de alguém. Desta vez pegámos em nós e deixámos a nossa vontade liderar. E ganhámos todos.






















Casacos dos miúdos boboli
echarpe blu
calças b simple
óculos d.franklin

Comentários