Foi um ano grande. Um grande ano

Há anos que passam sem grandes marcos. Este foi um deles. Já não estou habituada a anos em que não estou grávida, a pensar nisso ou com um recém nascido nas mãos. Foi um ano apenas e só de crescimento e que bom que foi. A Luísa entrou na escola e essa talvez tenha sido a grande mudança para todos. Tivemos um verão bom e pela primeira vez em anos ficámos 15 dias seguidos na mesma casa a gozar férias. A Leonor fez 7 anos, a Luísa 2 e o Zé Maria 4. Eu ganhei 8 quilos e perdi 6. O meu marido trabalhou muito e conseguiu, como sempre, desdobrar-se em mil e resistir à enorme exigência do seu trabalho. Eu acompanhei também essa exigência, em casa e mantive, acho eu a minha sanidade mental. 

A minha irmã editou uma revista do caraças e o meu irmão arranjou um emprego de sonho. Nasceu um sobrinho incrível. A minha mãe aproveitou o segundo ano de reforma, viajou. O meu pai pôs-nos a pensar e obrigou-nos a ser mais equipa. A minha avó fez 93 anos. 

Foram coisas pequenas que não nos mudaram a vida mas que nos fez mudar algumas coisas, não só na nossa casa mas na nossa família e nas outras casas e nas outras famílias que são também a nossa. 

Tive ideias que acabei por não concretizar - ainda. 

Projectos que ficaram no papel por falta de tempo, de organização e de coragem. E outros que começaram a andar. 

A minha página de Instagram chegou aos 20 mil seguidores. Conheci pessoas e ao mesmo tempo talvez tenha sido o ano em que menos estive com amigos. Não gostei disso. Quero melhorar isso. 

Não me desiludi com ninguém e espero não ter desiludido ninguém também. 

Conheci histórias que me marcaram muito e que me fizeram pôr muitas coisas em perspectiva. Acima de tudo de pessoas que perderam pessoas. 

O ano escolar deles teve um início difícil. Todos tivemos que nos adaptar a mudanças e as preocupações deles mantiveram-nos alerta. 

Não viajámos para fora. Mas fomos ao Porto, Algarve, ao Minho, a Coimbra, a Évora, à Alorna, a Vale do Gaio, a Tróia, passei um dia a bordo do Continental, a Alenquer visitar amigos, a Setúbal ver golfinhos, à praia à noite, à Lagoa de Albufeira, à Arrábida, a Arraiolos. Fui a dois concertos, umas duas vezes ao cinema, ao pilar 7 da ponte, ao Esher, à Tapada de Mafra, ao Parque do Tambor, ao Maat, ao Pavilhão do Conhecimento, participei num debate de Parentalidade Positiva, fiz a minha primeira sessão fotográfica, fui operada ao nariz, o Zé Maria pescou e entrou no Karaté. 

Não sou de resoluções. Tenho alguns desejos mas sem data. Quero saúde, muita para todas as pessoas que fazem parte da minha vida. 

Chego à conclusão que a vida de facto não precisa de marcos, é mesmo a forma como se vivem as pequenas coisas que nos faz levar as grandes memórias. E eu fiz muitas este ano. 

Que o Natal seja cheio de alegria e 2019 um ano muito bom para todos. 

Um beijinho, Maria Ana


Comentários