} Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

episódio 2 - no corredor

Atravessou o corredor a medo. Era isso ou acordar novamente a irmã. O corredor era tão escuro que lhe parecia impossível a uma criança. As tábuas faziam-se notar a cada passo e ela preferia atravessá-lo em pressa do que se demorar por ali. Deviam ser uns 4 metros que lhe pareciam 12. Respirava fundo e ia de olhos fechados como se isso a protegesse do medo. O medo era de nada. Só do escuro, do desconhecido, do caminho, de não saber o que estava do outro lado.  Mesmo já tendo passado ali com a luz do sol. Quando chegava era bom e era mau porque era obrigatório voltar. Já sabia que nada se passava e que era só um caminho e mesmo assim voava para chegar o mais depressa possível. No dia a seguir era igual. Todos os dias.O mesmo corredor escuro. Todos os dias a luz da manhã a fazer esquecer a noite. As manhãs serviam para lhe descansar a alma e se rir de si mesma. Tinha a certeza que à noite não haveria medos porque estava tudo ali, tudo o que era para existir, tudo o que fazia realmente par

Afinal o grande teste da minha vida não são os filhos

Afinal o grande teste da minha vida não são os filhos.
É o trânsito.
Tenho o dia todo contado ao segundo para que as coisas fluam bem e a família esteja na generalidade bem disposta.
Gastar um bocadinho de energias a arejar
Google a comer um pau
Vou com ele levar a mais velha e a ir e vir demoro uma hora. Fazemos este percurso 4 vezes ao dia, duas horas no carro.

É cansativo mas já faz parte do nosso dia-a-dia e há de certeza quem passe o triplo do tempo no carro e no trânsito.

Vamos geralmente a cantar e alterno a música dela com uma rúbrica sagrada da Rádio Comercial e toda a gente vai feliz.
Ele vai em gestão de humor. Não adora o tempo todo que passa no carro e percebo-o perfeitamente.

À vinda já chega com sono, passeamos o cão e deito-o.

À terça feira é o único dia em que posso fazer o treino na rua porque tenho ajuda em casa mas hoje e nos próximos 4 meses as coisas vão mudar por causa de uma rua fechada, a Infante Santo (e outras) - ponto de passagem obrigatório para chegarmos.

Fui pelas alternativas que me sugeriram e demorei 1h20 a chegar ao destino e fazer 9km. Mais o tempo normal de voltar. A respirar fundo, e basicamente a fingir que não estava enraivecida com o universo inteiro que se uniu pra me tramar.

Resultado: treino cancelado, filho em birra, cão aflito, eu frustrada.
Por isso hoje não há treino - que passa para amanhã. 5ª feira seria avaliação - a terceira - que possivelmente passará para sexta.

Comentários