} Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

episódio 2 - no corredor

Atravessou o corredor a medo. Era isso ou acordar novamente a irmã. O corredor era tão escuro que lhe parecia impossível a uma criança. As tábuas faziam-se notar a cada passo e ela preferia atravessá-lo em pressa do que se demorar por ali. Deviam ser uns 4 metros que lhe pareciam 12. Respirava fundo e ia de olhos fechados como se isso a protegesse do medo. O medo era de nada. Só do escuro, do desconhecido, do caminho, de não saber o que estava do outro lado.  Mesmo já tendo passado ali com a luz do sol. Quando chegava era bom e era mau porque era obrigatório voltar. Já sabia que nada se passava e que era só um caminho e mesmo assim voava para chegar o mais depressa possível. No dia a seguir era igual. Todos os dias.O mesmo corredor escuro. Todos os dias a luz da manhã a fazer esquecer a noite. As manhãs serviam para lhe descansar a alma e se rir de si mesma. Tinha a certeza que à noite não haveria medos porque estava tudo ali, tudo o que era para existir, tudo o que fazia realmente par

O fim de semana e a consciência alimentar

Almoço de sábado
Acho que como cada vez melhor, embora - e um dia explico melhor isto - precise de aprender a compensar a proteína, que a carne que não como e o cada vez menos peixe, me dão. 

Nos últimos anos,  muito porque fui mãe,  aliás porque fomos pais, a alimentação melhorou bastante lá por casa.
Adoro legumes (beringela e courgette são os preferidos), absolutamente viciada em cogumelos - comia todos os dias, com e em tudo, fruta,  boas saladas cheias de coisas e boa sopa.

Adoro massa mas não sou tão fã assim de arroz e no último ano tenho comido muito pouco, tanto um como outro. Tenho fases integrais mas não sempre e devia acrescentar mais hidratos na minha alimentação. Adoro noodles. A minha cozinha preferida, depois da nossa, claro, é a asiática. 

O peixe escolhido é sem dúvida o atum e salmão só cru. Não gosto do sabor quando é cozinhado. 

Carne não como. Adoro ovos de todas as maneiras e feitios e os menos preferidos são mexidos.  Um bom jantar para mim e que me faz feliz é uma sopa de tomate com ovo escalfado.

A minha filha não comeu nada dos seis meses (altura em que deixou de mamar) até ao ano e meio por isso a alimentação dela era tudo o que a fizesse comer. Os legumes só na sopa e mesmo assim a sopa tinha sempre batata doce,  pêra e maçã - sim isto tudo - para que comesse. Só comeu um gomo inteiro de maçã aos 10 meses, por isso não me preocupei nada com a alimentação saudável,  queria que comesse, fosse o que fosse. 
Ajuda que as festas de crianças
tenham opções saudáveis. Principalmente
para os pais.
Esta até ovos de codorniz cor de rosa tinha!

Com ele, que come tudo o que lhe ponho à frente, foi muito diferente, sempre legumes no prato, todas as frutas e sem medo de experimentar seja o que for.
Ele tem-me ajudado a tentar converter a irmã. Não é fácil mas não desisto. Até porque sei que na escola come muito mais verdes do que em casa e com o tempo e o hábito lá chegaremos. 

Acho que no geral somos saudáveis e mais importante que isso tentamos ser, mesmo que com milhões de falhas.
Não somos nem queremos ser perfeitos. Queremos ser conscientes mas sem extremismos, sem alarmismos e com inteligência. 
Jantar de Domingo
Até porque não há nada mais português que a comida e quero mesmo que cresçam a saber o que é bacalhau de todas as maneiras possíveis e imaginárias,  cozido à portuguesa, caldeirada, caldo verde, queijo da serra, polvo à lagareiro, arroz de pato, carne de porco à alentejana,  açorda e migas. E devem experimentar as nossas sobremesas e a nossa cultura culinária que é tão rica.
Porque não somos perfeitos mas tentamos ser conscientes procuro dosear o bem e o mal.
O fim de semana teve um jantar de anos sexta, uma festa no sábado e outra domingo.

Na sexta comi uma fatia de bolo - a culpa é da minha cunhada e não visitem esta página - mas de resto não toquei em nada que não fosse saudável.
E por isso, no Domingo à noite o jantar - dos crescidos - foi pizza. O deles, e porque principalmente ela comeu praticamente sem reservas tudo o que quis nas festas, foi peixe cozido.
Podia ter jantado qualquer coisa saudável e que não me fizesse pesar a consciência mas a verdade é que eu queria mesmo pizza.
E estava óptima. Pior é que nem sequer era caseira. Saiu de um pacote, cheia de tudo. De E's, de químicos, de calorias.
Mas às vezes, ao domingo,  depois de um fim de semana non stop,  miúdos na cama, queremos lá saber! E não querer saber ao domingo e pensar no assunto o resto da semana toda, é para mim,  absolutamente suficiente.






Comentários

  1. também gosto de pizza! e por vezes "peco" à grande para não ficar " aguada"... :)

    ResponderEliminar
  2. Às vezes mais vale Inês. :) Um beijinho.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário