} Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

episódio 2 - no corredor

Atravessou o corredor a medo. Era isso ou acordar novamente a irmã. O corredor era tão escuro que lhe parecia impossível a uma criança. As tábuas faziam-se notar a cada passo e ela preferia atravessá-lo em pressa do que se demorar por ali. Deviam ser uns 4 metros que lhe pareciam 12. Respirava fundo e ia de olhos fechados como se isso a protegesse do medo. O medo era de nada. Só do escuro, do desconhecido, do caminho, de não saber o que estava do outro lado.  Mesmo já tendo passado ali com a luz do sol. Quando chegava era bom e era mau porque era obrigatório voltar. Já sabia que nada se passava e que era só um caminho e mesmo assim voava para chegar o mais depressa possível. No dia a seguir era igual. Todos os dias.O mesmo corredor escuro. Todos os dias a luz da manhã a fazer esquecer a noite. As manhãs serviam para lhe descansar a alma e se rir de si mesma. Tinha a certeza que à noite não haveria medos porque estava tudo ali, tudo o que era para existir, tudo o que fazia realmente par

Gastar calorias a brincar.

Quando as férias chegam é bom para todos. Não há horas,  nem stress, nem pressas, os piores inimigos do dia a dia.  Até irmos para fora, as férias são passadas em casa e com os programas possíveis.
Muitos jardins, praia - posso ir depois de tirar os pontos -, piqueniques,  a festa de 4 anos dela, sestas e aquilo que a minha imaginação permitir.
Mas em casa, apesar de óptimo é muito mais cansativo.
Os programas têm que ser pensados a dobrar. Parte da manhã e da tarde.  E claro que sim, podem perfeitamente ficar em casa mas a probabilidade de acabar tudo de pantanas é gigante.
Por isso mais vale sair.
Quando saio, levo o Zé Maria no carrinho e sempre o patim para a Leonor, pelo sim pelo não. Vai o cão também.
Vamos ao jardim,  aos baloiços e aproveito caso precise de comprar alguma coisa para o fazer no regresso.
Fomos ao talho hoje.
Resolvi como teste,  pôr o pulsómetro/relógio de frequência cardíaca/ cardiofrequencimetro para perceber as calorias que gasto numa manhã normal com eles.
Mais pela graça do que com outro intuito qualquer.
E o resultado,  apesar de com certeza não ser exacto, não me surpreende.
Fico feliz que até irmos de férias tenha a possibilidade de gastar umas calorias extra e que o faça na companhia dos meus filhos. 
Perfeito não é?

Comentários