} Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

episódio 2 - no corredor

Atravessou o corredor a medo. Era isso ou acordar novamente a irmã. O corredor era tão escuro que lhe parecia impossível a uma criança. As tábuas faziam-se notar a cada passo e ela preferia atravessá-lo em pressa do que se demorar por ali. Deviam ser uns 4 metros que lhe pareciam 12. Respirava fundo e ia de olhos fechados como se isso a protegesse do medo. O medo era de nada. Só do escuro, do desconhecido, do caminho, de não saber o que estava do outro lado.  Mesmo já tendo passado ali com a luz do sol. Quando chegava era bom e era mau porque era obrigatório voltar. Já sabia que nada se passava e que era só um caminho e mesmo assim voava para chegar o mais depressa possível. No dia a seguir era igual. Todos os dias.O mesmo corredor escuro. Todos os dias a luz da manhã a fazer esquecer a noite. As manhãs serviam para lhe descansar a alma e se rir de si mesma. Tinha a certeza que à noite não haveria medos porque estava tudo ali, tudo o que era para existir, tudo o que fazia realmente par

Afastar as coisas para as vermos melhor.

Acho que na vida é tudo uma questão de perspectiva.
Quando vivemos na correria dos dias é difícil parar para pensar no que realmente importa. No que a vida nos dá e no que damos aos outros. Ou às vezes, pensamos demais.
Evito parar para pensar porque a verdade é que às vezes magoa, mas é tão importante. Importante ver como nos andamos a comportar connosco e com os outros.
Muito facilmente,  nos deixamos levar pela nossa casa, pelo nosso "jeito", pelos nossos dias e o mundo deixa de existir. E o mundo nunca deixará de existir nem nós para o mundo.
Sempre quis ter filhos e sinto que é aquilo para que tenho "mais jeito" na falta de uma flagrante vocação, e por essa razão,  é a eles que mais e melhor me dedico.
Com dois filhos, despesas sem fim, logística, é fácil pensar que dois é muito,  três é muito difícil e mais do que isso, a perfeita loucura. 
Talvez seja.
Até que abrimos as portas ao mundo e nos deparamos com esta mãe.
Tem 22 anos,  leram bem. Tem 6 filhos. Leram bem outra vez. Com 3, 2 e 1 e trigémeos recém nascidos.
Os bebés (como se não fossem todos) nasceram às 28 semanas e 3 dias e seriam o "último filho do casal". Afinal, foram o 4o, 5o e 6o....
E neste momento têm 6 filhos com menos de 4 anos.
Depois, olhamos para a calmaria da nossa casa, da minha casa, com dois filhos que têm mais de dois anos entre eles e se portam de forma normal, umas asneirinhas aqui e ali, um carro, duas cadeirinhas, um quarto, duas camas, uma hora de deitar única, um banho, refeições à mesma hora e uma logística absolutamente básica que em tempos me pareceu caótica e dá vontade de rir.
É bom abrir os olhos para isto e para tudo o resto. Pensar nas coisas em perspectiva,  melhorar,  tentar melhorar e olhar mais vezes para fora. A nossa casa está lá e não sai de lá.
Instagram da Chloe and Beans aqui.

Comentários

  1. Meu Deus!! De facto, dois é peanuts!!! E os pequeninos nasceram super prematuros. Como é que se faz com 6 bebés??

    ResponderEliminar

Publicar um comentário