} Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

episódio 2 - no corredor

Atravessou o corredor a medo. Era isso ou acordar novamente a irmã. O corredor era tão escuro que lhe parecia impossível a uma criança. As tábuas faziam-se notar a cada passo e ela preferia atravessá-lo em pressa do que se demorar por ali. Deviam ser uns 4 metros que lhe pareciam 12. Respirava fundo e ia de olhos fechados como se isso a protegesse do medo. O medo era de nada. Só do escuro, do desconhecido, do caminho, de não saber o que estava do outro lado.  Mesmo já tendo passado ali com a luz do sol. Quando chegava era bom e era mau porque era obrigatório voltar. Já sabia que nada se passava e que era só um caminho e mesmo assim voava para chegar o mais depressa possível. No dia a seguir era igual. Todos os dias.O mesmo corredor escuro. Todos os dias a luz da manhã a fazer esquecer a noite. As manhãs serviam para lhe descansar a alma e se rir de si mesma. Tinha a certeza que à noite não haveria medos porque estava tudo ali, tudo o que era para existir, tudo o que fazia realmente par

Da melhor maneira que eu sei


Tenho 3 filhos.
A Leonor tem 5 anos. O Zé Maria tem 3 e a Luísa 9 meses.
 Quando fecho os olhos para pensar neles o primeiro sentimento é o de paz. Mas é fácil sentir paz quando já passaram as noites mal dormidas, a incerteza do nosso leite, as cólicas, as dores, o desnorte.
 É fácil sentir essa paz quando as coisas já se acertaram, as rotinas, as horas, os tempos.  A casa.
 Mas os inícios são sempre violentos.
O primeiro filho, deixar a segurança do hospital, chegar a casa, primeiro com um, depois gerir as emoções de ter dois, e depois as mãos que não chegam para os três.
 Às vezes a paz dá lugar ao caos.
Felizmente não é esse caos que nos define nem que me define. Mas é esse caos que faz de mim a mãe que sou.
 Se fosse hoje, teria acreditado que a imperfeição não só faz parte, como nos faz olhar mais para dentro, que a imperfeição não faz mal e que se for feito com amor, então é bem feito.
 Há muita imperfeição na nossa casa. É dela que nos aproveitamos para crescer como pais, e é dela que nos servimos para sermos melhores.
Hoje sei que nem sempre fiz tudo à minha maneira. Por medo, pressão ou por achar que havia sempre quem soubesse mais do que eu.
Hoje sei, que ninguém sabe mais de um bebé do que a sua mãe.  Mesmo quando é uma mãe absolutamente imperfeita.
Baby Dove é uma nova marca de cuidados para bebé que acredita exactamente nisto, que não existem mães perfeitas, apenas mães reais. Uma gama dedicada às mães que falham, que erram, que se perdem e que se voltam a encontrar  na certeza que a melhor forma de cuidar é à sua maneira.

(Post escrito em parceria publicitária com Dove)



--> --> -->

Comentários